Risoto para Lou Clark

protagonista-web

Eu já falei aqui há um tempo atrás de um livro da Jojo Moyes, “A garota que você deixou para trás”, mas hoje vou falar de dois livros dela, o conhecido “Como eu era antes de você” e sua sequência “Eu depois de você”. Eu adoro a Jojo Moyes, e acho que ao criar a personagem Louisa, a heroína desses dois livros, ela acertou em cheio.

Em “Como eu era antes de você”, Lou mora em uma pequena cidade da Inglaterra, onde a grande atração é um castelo que contém um labirinto. Essa propriedade é de uma família rica, os Traynor. Louisa, ou Lou como é chamada por sua família e amigos, fica desempregada no início do livro e acaba indo trabalhar para os Traynor em uma função inusitada para ela que era garçonete: cuidadora do filho tetraplégico do casal, Will. Mas Will não gosta muito de ter alguém “cuidando” dele e o relacionamento entre ele e Lou começa de forma bem difícil. Mas depois, conforme os dois se conhecem melhor, as coisas mudam bastante de figura.

Esse livro fala de assuntos complexos: morte, perda, suicídio, entre outras. Eu confesso que chorei horrores no final, mas eu sou manteigona, então isso não é tão anormal assim. Mas o grande trunfo da autora para mim é a própria Louisa. Lou não é uma beldade, não é genial, não é enfim tão diferente de um monte de mulheres que existem por aí. O que é importante em Lou é o seu coração enorme, e, mais tarde, a coragem de ser e amar plenamente. “Como eu era antes de você” é uma história de um primeiro amor devastador, mas também é a história de como alguém pode ajudar uma pessoa a ser mais do que ela sonhava. É por isso que é tão bonito e tão triste.

Já em “Depois de você” (que ainda não saiu aqui no Brasil, mas já tem o e-book em inglês na Amazon para quem é fominha igual a mim), Jojo retoma a trajetória de Louisa e seu caminho até encontrar o amor de novo, e reencontrar ela mesma. Agora que Lou tem que superar Will, ela está na fossa completa e sem saber para onde ir. Até topar sem querer com Sam, um paramédico de Londres, que também passou por momentos difíceis no passado. Além disso, uma pessoa inesperada aparece para bagunçar sua vida.

No final da choradeira desses dois livros, uma montanha russa de emoção, fica a lição da Jojo Moyes: não deixe a vida passar com você simplesmente acompanhando, não dá para viver sem assumir riscos. E como diz a ilustração desse post: seja a protagonista da sua história.

A receita de hoje é um prato para protagonizar noites de gala: risoto de pêra com gorgonzola. Meu marido é fera no risoto e esta receita foi testada e aprimorada com amor especial. Aproveitem!

Risoto de Pêra com Gorgonzola (para 4 pessoas famintas)

Ingredientes:

  • 2 xícaras de chá de arroz arbóreo
  • 250g de queijo gorgonzola picado
  • 3 pêras
  • 1 1/2 xícara de caldo de galinha (2 cubos)
  • 2 xícaras de vinho branco seco
  • 1 cebola picada em cubinhos (ou 1 1/2 se estiverem pequenas)
  • 2 colheres de sopa de azeite
  • 1 colher de sopa de manteiga
  • suco de 1/2 limão
  • pimenta do reino moída a gosto
  • queijo parmesão ralado a gosto

Preparo:

  1. Leve uma panela com o caldo de galinha ao fogo alto. Quando ferver, abaixe o fogo para o mínimo possível.
  2. Descasque as pêras e corte-as em cubinhos de um centímetro. Regue com o suco de limão para não escurecer.
  3. Em uma panela grande, coloque o azeite e leve ao fogo baixo. Quando estiver quente, adicione a cebola e mexa até ficar transparente. Aumente o fogo e adicione o arroz arbóreo.
  4. Na panela do arroz, adicione o vinho. Misture até evaporar.
  5. Após o vinho secar, coloque uma concha do caldo de galinha e mexa até secar. Repita a operação durante quinze minutos.
  6. Acrescente o gorgonzola e as pêras. Misture bem.
  7. Desligue o fogo, acrescente a manteiga sem misturar e tampe a panela durante alguns minutos.
  8. Tempere com a pimenta do reino e mexa bem.
  9. Sirva com o parmesão ralado por cima. E uma saladinha de rúcula para acompanhar!

Obs: Esta receita também fica uma delícia com queijo Brie!

 

 

Costelinha romântica

romance-web

Têm uns livros que fazem a gente ficar com o coração apertado, chorar com o protagonista, torcer por ele, mesmo sabendo que nada aquilo aconteceu. Livro bom é assim, quando você percebe já está dentro desse universo paralelo literário, as duas da manhã de uma quarta-feira. Foi assim comigo quando eu li “A garota que você deixou para trás” da Jojo Moyes.

Primeiro, devo confessar que é um livro bem feminino. Diferentemente do Blink, da semana passada, não consigo imaginar nenhum dos meus amigos homens com esse livro na mão. Mas isso não significa que é um romance açúcarado, é um romance sim, mas bem leve na sacarose.

A história do livro se divide em duas partes. A primeira parte tem como protagonista Sophie, que tem um hotel com sua família no interior da França durante a ocupação alemã e vive aguardando notícias do seu marido, que antes de ir para o front era pintor. A segunda parte, que se passa nos dias atuais, é a história de Liv, uma jovem viúva londrina que ainda não superou a perda do marido. As duas personagens tem uma pintura como ponto de encontro. Não quero falar mais para não estragar. (Se alguém quiser fofocar sobre o livro pode deixar um comentário que eu vou adorar!)

No começo do livro, a família de Sophie está escondendo um porquinho dos alemães, o que era terminantemente proibido. Eles pretendem deixar ele crescer, e fazer um pequeno banquete para eles e seus vizinhos. Mas eles são denunciados! Os alemães aparecem lá e…. SUSPENSE. Rá. Agora você vai ter que ler. (risadinhas malignas aqui)

Mas o tal do porquinho me deixou pensando em costelinhas e eu estava no mood romântico do livro, sabe? Então, como meu respectivo AMA costelinhas (tanto que quando a gente vai na casa dos meus pais, a Cidoca pergunta se ele vai, porque se for, ela faz costelinhas pra ele). É uma preferência escancarada mesmo (ele com as costelinhas, a Cidoca com o maridão), ninguém disfarça mais. Resolvi aproveitar a vibe romântica, pedi as instruções para a chefia e ela me deu o bizú das costelinhas da felicidade. Viu, para não dizer que eu não agrado gregos e troianos, se o livro é para as mulheres, a comida é pros homens! Só um aviso, o preparo é moleza, mas fica um tempão no forno.

Costelinha romântica com batata rústica (serve duas pessoas -romance, gente!)

Ingredientes:

  • Costelinha de porco
  • 1 pote de geléia de damasco ou laranja
  • 2 cabeças de alho
  • 3 batatas inglesas grandes ou 6 pequenas
  • Alecrim seco
  • Sal grosso
  • Azeite e pimenta do reino a gosto
  • Papel alumínio

Preparo:

  1. Pré-aqueça o forno a 220 graus.
  2. Encha uma panela grande de água e coloque as batatas. Deixe as batatas na água fervente por 20 minutos.
  3. Enquanto as batatas fervem, coloque a costelinha em uma travessa refratária e tempere com sal, azeite e pimenta da reino. Depois espalhe a geléia bem por cima de toda a costelinha.
  4. Coloque a costelinha no forno e deixe assar em temperatura alta mesmo por 20 minutos.
  5. Escorra as batatas. Corte cada uma ao meio, e depois corte ao meio longitunalmente de novo. Se for da grande, corte cada fatia ao meio mais uma vez.
  6. Quando acabarem os vinte minutos da costelinha, retire ela do forno e tampe-a com papel alumínio. Na mesma travessa, ou em outra, coloque as batatas e regue com azeite. Jogue um pouco de sal grosso (não muito, senão fica salgado demais), pimenta do reino e o alecrim seco por cima. Coloque junto as duas cabeças de alho, inteiras mesmo.
  7. Diminua a temperatura do forno para 160 graus e asse por mais 1 hora.

Faz um jantarzinho íntimo do bom!