Quase lá

cisneros

Pessoal,

esse ano de 2016 não foi moleza, não é mesmo? Foi um ano pesado para todo mundo (e nesse caso eu quero realmente dizer todo mundo), mas sempre vem a esperança de que o próximo vai ser melhor. Nessa nota, tá naquele momento de recapitular e planejar, gente!

RECAPITULANDO:

  1.  “O amante japonês” da Isabel Allende LIDO!
  2. “Desaparecidas” da Lauren Oliver LIDO!
  3. “O rouxinol” da Hannah Kristin LIDO!
  4. “Glass Sword” da Victoria Aveyard LIDO!
  5. “Toda luz que não podemos ver” do Anthony Doerr NOT!
  6. “O assassino cego” da Margaret Atwood NOT!
  7. “Para onde vai o amor?” do Fabrício Carpinejar LIDO!
  8. Histórias de cronópios e de famas” do Julio Cortázar LIDO!
  9. “A garota na teia de aranha” do David Lagencrantz LIDO!
  10. “Fates and furies” da Lauren Groff LIDO!
  11. “A brief history of seven killings” do Marlon James NOT!
  12. “You’re never weird on the internet (almost)” da Felicia Day LIDO!

Bom, de acordo com as minhas estimativas (que envolvem cálculos complexos, não peçam para explicar), esse ano eu li 68 livros, mas esses 3 por algum motivo não entraram na lista 😮 “O assassino cego” da Margaret Atwood comecei a ler a milênios atrás e desanimei na metade, porque apesar de bem escrito não prendeu minha atenção. “Toda luz que não podemos ver” parece ótimo mas por algum motivo eu sempre deixava ele pro final da fila e  “A brief history of seven killings” eu baixei no final de semana passado no Kindle e li as primeiras 4 páginas -quem sabe ainda dá tempo, 2016?

Dessa lista, o meu predileto foi com certeza “O rouxinol”, da Hannah Kristin que teve resenha aqui no blog e tudo! Outro livro que eu adorei e que, por coincidência, tem uma temática bem similar, foi “Secrets of a Charmed Life” da Susan Meissner. Ah, e me diverti muito com “A Torre” do Daniel O’Malley, que é uma loucurinha muito bacana.

Então agora vem a minha listinha para o ano que vem (um para cada mês):

  1. “Toda luz que não podemos ver” do Anthony Doerr (esse ano vai!)
  2. “Hibisco Roxo” da Chimamanda Ngozi Adichie
  3. “The house on Mango Street” da Sandra Cisneros
  4. “A vida invisível de Eurídice Gusmão” da Martha Batalha
  5. “Swing Time” da Zadie Smith
  6. “Wicked” do Gregory Maguire
  7. “Todos os contos” da Clarice Lispector
  8. “S.” do J. J. Abrams
  9. “O miniaturista” do Jesse Burton
  10. “Trinta e poucos” do Antônio Prata
  11. “Grande Sertão Veredas” do Guimarães Rosa (não me julguem! Eu disse que vou ler)
  12. “Spare and Found Parts” da Sarah Maria Griffin

E gente, a listinha de receitas fica para o próximo post 😉 Feliz Natal e um 2017 cheio de coisa boa para todos 🙂

Anúncios

Peixe fora d’água

peixe-web

Um dos melhores livros que eu li esse ano foi “The book of speculation”, da Erika Swyler. O livro conta as histórias de Simon e Amos em capítulos alternados. Os capítulos de Simon são escritos na primeira pessoa e no presente, enquanto os de Amos são escritos na terceira pessoa e no passado. Essa alternância dá ao livro uma dinâmica interessante e contribui para o crescente suspense da trama.

Simon vive sozinho na casa que foi dos seus pais, que fica na beira de um precipício. Sua irmã Enola saiu de casa há anos e vive uma vida nômade atuando como cartomante junto com uma trupe circense, o mesmo trabalho que a mãe deles exercia antes de casar. A situação da casa está deteriorando por falta de cuidados, que a situação financeira de Simon como bibliotecário não permite pagar. Um dia, Simon recebe pelo correio um livro ligado a sua avó: o livro é um tipo de livro-caixa de um circo. Simon fica intrigado com as revelações que faz através do livro e começa a pesquisar sobre sua família, cada vez de forma mais frenética quando descobre que as mulheres da sua família tendem a morrer jovens e na mesma data, o que o deixa preocupado com sua irmã Enola.

Já os capítulos de Amos contam a história desse mesmo circo do livro de Simon. Nele acompanhamos a trajetória de Amos, que é mudo, de um menino solitário, passa por aprendiz de cartomante com Madame Ryzhkova, até se apaixonar por Evangeline, a misteriosa sereia que se junta a trupe circense.

O livro é cheio de simbolismos e os personagens são escritos de maneira muito romântica. Eu confesso demorei um pouco para engrenar, mas a partir de certo momento não conseguia pensar em outra coisa senão a sina de Simon e sua irmã. É um livro bonito de ler.

Na narrativa, a mãe de Simon ensina ele e a irmã a segurar a respiração embaixo d’água durante longos períodos, até dez minutos (!), deixando claro a atração pela água existente na família: uma família que é meio peixe. Assim, o prato de hoje não poderia ser outro senão peixe! Essa receita é uma delícia, é fácil de fazer e ainda fica superbonita quando servida.

Linguado com limão siciliano (serve até 4 pessoas)

Ingredientes:

– Para o peixe:

  • 500g de filé linguado já limpo
  • 2 a 3 limões sicilianos
  • 1 cebola roxa cortada em rodelas
  • sal, azeite e pimenta do reino a gosto

– para o molho

  • 1 pote de iogurte natural
  • 1 maço de endro
  • suco de meio limão siciliano
  • sal, azeite e pimenta

Preparo:

  1. Pré-aqueça o forno a 240º graus.
  2. Na travessa que você vai servir, espalhe as rodelas de cebola roxa no fundo.
  3. Então coloque por cima os filés de peixe e tempere cada com azeite, sal e pimenta. Se quiser espalhe também um pouco de endro por cima.
  4. Por cima do peixe coloque rodelas de limão siciliano, cobrindo toda a travessa.
  5. Asse durante 30 minutos.
  6. Para o molho, coloque o iogurte natural em um potinho de servir, adicione o suco de limão, o azeite, o sal, a pimenta e por último o endro. Misture bem e deixe na geladeira até o momento de servir.