Malandragem dá um tempo

atum-web

“É assim que você a perde” de Junot Diaz é um romance formado por contos. Estranho, não é? Uma estrutura nova que flui naturalmente, aonde os personagens permanecem na história, flutuando em idade, maturidade e compreensão. Acho que essa liberdade de Diaz ao escrever a história de Yunior é minha parte predileta do romance: o autor não se prende a fórmulas, mas vai contando a história de Yunior da maneira que mais faz sentido para o narrador, aonde o próprio personagem identifica o começo e o final de sua história e suas ações. Não entendeu? Lê, depois a gente conversa 🙂

O livro é narrado em primeira pessoa, em um tom de conversa, e por isso possuí muitas gírias e expressões típicas da comunidade latina que muitas vezes não são familiares ao leitor (pelo menos no meu caso), o que pode parecer confuso mas sem dúvida contribui muito para a linguagem do livro e na construção de Yunior como personagem. Os contos são os capítulos da vida amorosa de Yunior, que desde o começo deixa claro que “ele não é não é uma má pessoa (…), só uma pessoa cheia de falhas, mas no final uma boa pessoa.” E mesmo com a multidão de pecados que ele comete durante a narrativa, no final você tende a concordar com ele.

É verdade que as pessoas que nos cercam tendem a ter um poder formativo enorme em nossas vidas, e no livro Diaz traz isso a tona com a frequente menção de Yunior ao irmão, Rafa, mesmo após a morte deste, o irmão caçula tende a se espelhar no mais velho falecido e até justificar suas escolhas através dele. Mesmo quando reconhece os erros do irmão, muitas vezes não deixa de emular seu comportamento, o que várias vezes traz consequências péssimas para sua vida. Em “É assim que você a perde” você acompanha Yunior em uma longa lista de desastres amorosos, mas também percebe o quanto o personagem mulherengo é carente desse amor e atenção. E é por isso que o livro é tão bom.

Enfim, os personagens principais do livro são todos de origem dominicana e eu fiquei curiosa para saber qual é a comida típica de lá, já que ainda não conheço pessoalmente. E o que eu descobri, meu povo? Descobri que o negócio por lá é peixe com banana. E feijão. Mas a lâmpadinha que acendeu na minha cabeça só incluiu os dois primeiros, então aí vai: um atum em crosta de gergelim acompanhado por purê de banana -leve e delícia.

diaz2-web

Atum Malandro à moda Diaz

Para o peixe:

Ingredientes:

  • 600g de filé de atum
  • 2 claras
  • 100g de gergelim branco
  • 100g de gergelim preto
  • 80ml de azeite

Modo de Preparo:

  1. Ponha duas claras de ovos dentro de um recipiente e bata-as.
  2. Tempere as claras com sal e pimenta do reino e bata outra vez.
  3. Acrescente o atum e misture.
  4. Em outra vasilha, ponha um pouco de gergelim e envolva o atum com os grãos.
  5. Enrole o atum em um pedaço de papel filme para prender bem o gergelim.
  6. Enquanto isso, ponha um pouco de azeite na frigideira e deixe esquentar.
  7. Retire o papel e deixe fritar um pouco todos os lados do atum.

Para o purê:

Ingredientes:

  •  03 bananas maduras
  •  1/2 xícara de leite
  •  1/2 caixa de creme de leite
  •  01 colher de sopa de manteiga
  •  01 pitada de sal
  •  01 colher de sopa de queijo ralado

Modo de Preparo:

  1. Cozinhe as bananas com casca até que fiquem macias. Escorra, deixe esfriar e bata no liquidificador com o leite.
  2. Em uma panela, derreta a manteiga, misture o creme de banana e o sal.
  3. Apague o fogo, acrescente o creme de leite e o queijo ralado. Misture ligeiramente.
Anúncios

Opostos

genio-web

Resolvi ler “Golem e o gênio”, da Helene Wecker, por causa de uma recomendação no Goodreads (vocês participam? Me procurem por lá ;)) e fui surpreendida por uma história bem diferente do que eu estava esperando, a qual, admito, era bem mais clichê :p

O livro conta a história de Chava, uma golem -figura mítica hebraíca feita de barro para servir proteger um mestre, e Ahmad, um gênio do folclore árabe.Por coincidências do destino, Chava e Ahmad acabam indo parar em Nova York. O legal do livro é que ele contrasta esses dois seres fictícios de maneira esperta: uma é feita de barro, o outro de fogo, um é recém-criado pelo homem, o outro é milenar e um ser natural, a golem tem o instinto de servir, o gênio de usufruir. Esses opostos que, na teoria, os afastaria, são justamente o quê os aproxima. A solidão inevitável de ser diferente, de ser outro, é diminuída com a presença de alguém tão solitário quanto você.

Eu nunca tinha pensado muito em golens (golems?), e o pouco que tinha refletido sobre gênios vinha de “Jeanie, é um gênio”, mas me diverti bastante com o livro. A escrita de Wecker é bem fluída e, apesar de um ou outro momento em que achei o desenvolvimento meio arrastado, o livro prende o leitor. Eu me peguei imaginando como deve ser acordar para o mundo de um dia para o outro, como Chava, e também como o tempo pode parecer irrelevante quando se vive muitos anos, como Ahmad. Esses seres inumanos não compartilham das nossas necessidades de comida e sono, então eles vivem de forma ininterrupta. Imaginei uma vida sem cansaço, mas também sem muitos prazeres, onde tudo parece pequeno. Mas o que nunca muda é a necessidade de produzir algo, de trabalhar e sentir-se produtivo.

Na história, Chava trabalha em uma padaria. Sua energia inabalável a tornam uma máquina na cozinha! Meu sonho mais dourado 🙂 rsrs . Repetidas vezes ouvimos falar dos seus bolinhos de amêndoa, mas gente, procurei horrores uma receita e não achei. Maaas, achei no Moldando Afeto, essa receita aqui de amêndoas que parece MARA, mas ainda não tive tempo de testar. Então lá vai! Se alguém quiser testar antes e me falar, fico agradecida.

Bolo de Amêndoas para Chava (do site Moldando Afeto)

Ingredientes:

  • Para a massa:
  • 3 ovos
  • 150 g de açúcar cristal
  • 150 g de farinha de trigo
  • 125 g de farinha de amêndoas
  • 75 g de manteiga sem sal derretida
  • 1 colher de chá de extrato de baunilha
  • 1 colher de chá de fermento em pó
  • 1 pitada de sal
  • raspas da casca de 1 limão + 2 colheres de sopa do suco
  • amêndoas em palitos

 

  • Para a calda:
  • 2 colheres (sopa) de manteiga
  • 2 colheres (sopa) de mel

Modo de Preparo:

  1. Pré-aqueça o forno a 180°C.
  2. Unte com manteiga uma forma redonda (uso uma de 20 cm), forre o fundo com um círculo de papel manteiga e unte-o também. Enfarinhe.
  3. Coloque os ovos, o açúcar e o extrato de baunilha na batedeira e bata cerca de 10 minutos ou até que a mistura fique bem volumosa, uma espuma clara e espessa.
  4. Incorpore com cuidado a farinha de trigo, o fermento, o sal, a farinha de amêndoas, a manteiga e as raspas e suco de limão, misturando de baixo para cima com uma espátula de silicone. Despeje a massa na forma preparada e alise a superfície. Espalhe as amêndoas em palitos sobre a massa.
  5. Asse o bolo por cerca de 35 minutos ou até que ele cresça e doure, fazendo o teste do palito.
  6. Faça a calda: Derreta a manteiga com o mel numa panelinha. Assim que estiver tudo misturado e derretido, está pronto. Retire o bolo do forno, deixe amornar uns 15 minutos. Desenforme, e ainda morno, pincele a calda sobre ele.

À primeira vista

guacamole-web

De vez em quando eu quero ler uma coisa fácil, para rir e ficar bem light. Da última vez que isso aconteceu, li “Desde o primeiro instante” da Mhairi MacFarlane. Esse livro, escrito para mulheres, é perfeito para aquele final de semana na praia, onde pensar pouco e rir muito são os objetivos.

O livro conta a história de Rachel, uma mulher na casa dos trinta que está prestes a se casar com o namorado que tem desde os tempos do colégio, mas se dá conta que não está apaixonada pelo noivo e então termina tudo. Em seguida, Rachel reencontra seu melhor amigo da faculdade, Ben, que é lindo, engraçado, legal e… casado. A história alterna entre passado e presente, entre os diferentes momentos do relacionamento dos dois.

O que eu gostei foi do jeito leve da escrita de MacFarlane: as situações, embora as vezes clichê, são engraçadas e o relacionamento de Rachel com os melhores amigos é um ponto alto. O livro me relembrou a época da faculdade, de festas, cervejas e risadas. Ficar acordado até tarde e não ter que trabalhar no dia seguinte, reclamar de provas e encontrar o primeiro amor. Quem não tem saudade desses momentos?

No livro, uma cena importante se passa em um restaurante mexicano e por isso pensei que o par perfeito dessa história teria que ser um delicioso guacamole. Um prato leve, mas cheio de sabor, que lembra noites de primeira rindo com os amigos e cerveja gelada.

P1070625EDITweb

Guacamole Amigo (serve até 6 pessoas)

Ingredientes:

  • 1 abacate
  • 1 tomate picado sem sementes
  • 1/2 pimentão vermelho picado
  • 1 pimenta-dedo-de-moça picada
  • 1/2 xícara de chá de coentro picado
  • 1 cebola pequena
  • 2 a 3 dentes de alho
  • suco de 1 limão
  • sal a gosto

Modo de Preparo:

  1. Amasse os dentes de alho descascados no espremedor de alho, ou corte em cubinhos e depois frite na frigideira até dourar. Reserve.
  2. Pique a cebola em cubinhos pequenos e regue com limão para tirar a acidez.
  3. Com uma faca, corte o abacate ao meio e retire o caroço. Com a ajuda de uma colher, retire a polpa e coloque numa tigela.
  4. Adicione todos os ingredientes picados à tigela com o abacate e misture bem. Tempere com o suco de limão e sal. Sirva com nachos (eu ❤ Garytos).