Bate papo com a Mindy

bruschetta-web

Tem alguma celebridade que você acha que deve ser super divertida na realidade? Que você se imagina saindo para tomar um choppinho e rindo sem parar? Para mim tem, a Mindy Kaling. Eu confesso que não vi de verdade o programa que deixou ela famosa, o The Office americano, mas assisti o seu programa The Mindy Project e adorei. É besteirol da melhor qualidade, a la Friends e New Girl. Por isso, quando vi o livro dela “Is Everyone Hanging Out Without Me?” não resisti e comprei.

O livro é divertido, e passa uma sensação de estar conversando com uma amiga engraçada. Eu gostei, e apesar de achar que as vezes ela força um pouco a barra para ser engraçada (o mesmo motivo de eu não ter curtido muito o The Office), o livro tem momentos hilários e inteligentes que fazem valer a pena. Eu gostei especialmente do capítulo que ela fala sobre não se encaixar nos estereótipos de beleza vigentes, de como ela lida com isso, e também da parte em que ela fala sobre amizade e crescimento; de um jeito tão honesto que você acaba se identificando, não importa o país ou a cor da pele.

Enfim, se você quer ler alguma coisa para relaxar, rir um pouco e de quebra aprender um pouco sobre humor, esse livro é ideal. Super leve, ótimo para ler tomando um sol na praia ou na piscina. Você pode até fingir que está tomando uns bons drinques com uma amiga. Logo, a receita de hoje é nesse clima. Há um tempinho atrás, abriu no Rio a Prima Bruschetteria, e imediatamente lá virou point de sair com as meninas: beber uma sangria, comer bruschettas deliciosas e jogar conversa fora é a combinação perfeita! Logo segue aí uma das minhas preferidas.

Bruschetta para bater papo com as amigas  (serve 1 pessoa)

Ingredientes:

  • 5 fatias de presunto cru
  • 1 figo fresco
  • Algumas fatias finas de queijo Grana Padano
  • 1 fatia de pão italiano
  • 1 dente de alho
  • 1 colher (chá) de azeite
  • 1/2 colher (chá) de mel
  • 4 folhas de hortelã
  • 1/2 colher (chá) de vinagre balsâmico

Preparo:

  1.  Com um guardanapo ou pano úmido, limpe o figo. Não lave em água corrente para que a fruta não fique encharcada.
  2. Numa tábua, corte o figo em 3 fatias no sentido do comprimento e as fatias, em cubos.
  3. Leve uma frigideira ao fogo alto. Quando aquecer, coloque a fatia de pão e deixe dourar levemente dos dois lados.
  4. Enquanto isso, descasque o dente de alho. Tire o pão da frigideira, esfregue o dente de alho de um lado e regue com o azeite.
  5. Numa tigelinha, misture o mel e o vinagre balsâmico.
  6. Distribua as fatias de presunto cru e de Grana Padano, os cubos de figo e as folhas de hortelã. Regue com o molhinho de mel e balsâmico e sirva a seguir.
  7. Aconselho comer com um vinho ou com uma sangria, claro!

Para ficar na memória

peixe_enjaulado-web

Eu adoro livros de detetive, como já deu para perceber para quem lê o blog, e há um tempo atrás eu descobri o autor escandinavo Jussi Adler-Olsen e fiquei TODA feliz. Os livros do Departamento Q são diversão garantida para quem curte um bom suspense com personagens caprichados.

Carl Mørck e seu assistente Assad são a dupla dinâmica resolvedora de crimes antigos. Mørck é chauvinista, intratável e inteligente. Assad é simpático, religioso e cheio de mistérios. Os dois personagens têm passados cheios de áreas cinzas e o autor faz um trabalho excelente em nos deixar questionando o que sabemos de cada um, ao mesmo tempo em que torcemos para o sucesso profissional dos dois. Em “A mulher enjaulada”, eles tentam desvendar o desaparecimento de Merete Lynggaard, uma política em ascensão mas extremamente reservada, que um dia “PUFF!”, virou fumaça.

Além da trama bem construída, também me diverti conhecendo um pouco da Dinamarca através dos olhos (pra lá de mau-humorados mas bem intencionados) de Carl. O maior mérito do livro é mesmo seus personagens. O autor colore cada um com tanta clareza que sentimos conhecer cada um. Tanto os personagens principais quanto os secundários são tratados com carinho, e isso não é muito comum em romances policiais.

No clima da escandinavia, a receita dessa semana não fui eu que executei, mas sim a minha sogra. Acho que eu ainda preciso treinar muito para chegar lá, mas quando li Departamento Q lembrei imediatamente de quando comi um Salmão Gravadlax com beterraba maravilhoso na casa dos sogrinhos. Estava tão incrível que por dias todo mundo que comeu só pensava naquilo. Ela disse que fez a receita do Jamie Oliver, então segue aí!

Salmão Gravadlax para ficar na memória (serve 10 pessoas)

Ingredientes:

• 700g salmão inteiro, com a pele mas sem as espinhas
• 160g de sal grosso
• 50g de açúcar demerara
• 40g de raiz forte fresca, descascada e ralada ou ralada em conserva
• 300g de beterraba crua descascada e ralada
• 50ml de vodka
• 1 maço grande de endro, com as flores se conseguir (as folhas bem ficadas e as flores reservadas)
• 1 limão siciliano

Para o molho cremoso:
• 200ml de creme de leite com algumas gotas de limão, deixado em lugar aquecido por algumas horas
• 1–2 colheres de chá bem cheias de mostarda granulada
• Raspas e suco de 1/2 limão
• Um punhado pequeno de endro fresco picado

Preparo:

  1. Coloque o salmão em uma travessa grande, com o lado da pele para baixo. Coloque o sal grosso por cima do peixe, distribuindo-o por igual.
  2. Espalhe o açúcar por cima e em seguida a raiz forte e a beterraba, de forma a cobrir completamente a carne. Bata gentilmente com a mão para que penetre bem.
  3. Regue com a vodka e espalhe bem as folhas de endro picadas e as flores (se tiver).
  4. Rale bem a casca de limão sobre o peixe e cubra a travessa com filme plástico, fechando bem. Ponha um peso por cima, para forçar tudo para baixo. (O Jamie sugere duas garrafas de água, a gente colocou de vinho). Ponha na geladeira e deixe descansar por 48 horas.
  5. Depois de dois dias, tire o filme plástico e mantenha o peixe pressionado para baixo, enquanto escorre os líquidos que se formaram na travessa. Com as mãos (com ou sem luvas, depende de você, mas fica sujinha), retire o material de cima do peixe e coloque em um saco plástico. Depois de retirar tudo, bata levemente no peixe com papel absorvente ou um pano de prato bem limpo.
  6. Mantenha a pele para baixo e, com uma faca afiada, separe a pele da carne. Tire os pedaços castanhos que aparecerem no lado de baixo da carne.
  7. Corte o que for servir em fatias bem finas e acomode-as em uma travessa para servir.
  8. Antes de servir, misture todos os ingredientes do molho. Prove e tempere com sal e pimenta, se achar necessário.
  9. Sirva com uma salada crocante.

 

Massa sossegada

pessoa-web

Há um tempão atrás meu irmão me deu um livro importante, o “Livro do Desassossego” do Fernando Pessoa. Ganhei de aniversário e desde então o livro tem lugar de honra na estante, sempre à mão (valeu, irmão!). As vezes leio quando estou triste, as vezes quando estou sem inspiração, e as palavras de Pessoa sempre fazem alguma coisa. Não vou dizer que resolvem o problema, não resolvem. Mas de alguma maneira elas ajudam. Vocês tem algum livro assim? Amigo de cabeceira? Comentários por favor! rsrs

Não sei nem como falar alguma coisa nova desse monstro da poesia que é o Sr. Pessoa. Ele escreveu tudo com tanta sabedoria que adicionar alguma coisa é presunçoso. Por exemplo: “Nem brisa, nem gente interrompe o que não penso. Tenho sono do mesmo modo que tenho vida. Só que sinto nas pálpebras como se houvesse o que fazer-mas pesar. Ouço a minha respiração. Durmo ou desperto?” Trecho do número 480 do livro. Pessoa tem essa melancolia meio particular, que cai especialmente bem em momentos de fossa. Outro dia eu revi “Mensagem pra você” (vocês se lembram desse filme do Tom Hanks com a Meg Ryan na época em que e-mail e chats eram novidade e o Facebook nem estava no horizonte? Maravilhoso) e no filme o personagem do Tom Hanks fala que “O Poderoso Chefão” é o I Ching, que ele contém todas as respostas. Acho que o meu I Ching é o Fernando Pessoa (e nem sempre ele me fala o que eu queria ouvir, mas sim o que eu preciso, a la Rolling Stones).

Vai aí mais um trechinho para vocês ficarem com água na boca: “Que tragédia não acreditar na perfectibilidade humana!… – E que tragédia acreditar nela!”

Como hoje estou falando daquele amigo que acompanha sempre a gente, que está lá nas horas de desespero e de alegria, a receita de hoje só podia ser uma: massa. Minha família é italiana (o sobrenome não engana!) e a primeira coisa que a minha mãe me ensinou a fazer foi macarrão (o dela é maravilhoso). Hoje vai aí uma versão inspirada na salada de frango ao pesto do Gula-Gula que virou sucesso aqui em casa e que dá aquela felicidade quando você come.

Penne do Desassossego (serve de duas a quatro pessoas)

Ingredientes:

  • 400g de penne ou fusilli (não fica bom com espaguetti ou talharim)
  • 1 maço grande de manjericão lavado
  • 5 a 7 dentes de alho sem casca espremidos (depende de quanto vc gosta de alho)
  • 3/4 xícara de chá de azeite de oliva
  • Um potinho de mini mozzarelinha de búfala
  • 1/2 xícara de chá de queijo parmesão ralado
  • 1/2 xícara de chá de nozes picadas
  • Sal e pimenta do reino a gosto
  • 1/2 caixa de tomates cereja lavados e cortados ao meio

Preparo:

  1. Cozinhe o macarrão em água fervente, de acordo com as instruções no pacote. Coloque um fio de azeite na água quando colocar o macarrão para não grudar.
  2. Lave o manjericão em água corrente. Seque e separe somente as folhas
  3. Descasque os dentes de alho e esprema.
  4. Coloque no liquidificador o manjericão, o azeite de oliva, o parmesão, as nozes e o sal e a pimenta.
  5. Bata por uns 5 minutos até obter um pesto homogêneo.
  6. Coloque o penne em uma travessa e cubra com o pesto.
  7. Adicione as mozzarelinhas e o tomate cereja.
  8. Sirva em seguida

Prontinho! Ah, quem quiser pode colocar o frango desfiado também, igual na receita que a gente copiou (de leve! rsrs).